Crônicas subterrâneas

Décimo-quinto jogo, 19-08-2009
O mundo de Fórgus - Conclusão

A batalha se inicia e o grupo não tem muita dificuldade para vencer a maioria dos piratas. Vendo a derrota iminente, alguns deles acabam de rendendo, facilitando ainda mais a vitória. A mulher acaba fugindo, e Fórgus acaba desistindo de segui-la, já que havia alguma pressa.

Com o término da batalha, o capitão vai até uma taverna em busca de um conhecido e pede para o grupo aguardar seu retorno. Só agora eles analisam melhor o local e vêem que estão num porto relativamente sujo e com algumas pessoas com rostos não muito amigáveis. Após poucos minutos, o capitão retorna e diz que eles precisam retornar para o barco. Aproveitando que encontrou algum dinheiro nos mortos da última luta, Dart pede ajuda ao capitão para comprar uma espada larga e ele consegue sem muita demora.

De volta ao barco, eles seguiram viagem por várias horas e, em meio à viagem, Lino perguntou ao capitão sobre a mulher que os atacou e ele disse que seu nome é Irna. Fórgus diz que ela acha que ele roubou um tesouro de seu pai, conhecido como capitão Vernum, apesar de Vernum já ter morrido. Fórgus então revela que é uma parcial verdade, já que ele realmente possui parte do tesouro, mas ele lhe foi dado pelo próprio Vernum, para que guardasse um importante segredo… Que ele não revelou qual era, limitando-se a dizer que era melhor ser caçado pela filha do que revelá-lo…

Após a longa viagem, chegaram a uma pequena ilha com uma torre, onde haviam vários barcos piratas ancorados e barracas ao redor da torre. Fórgus os levou até a torre e, durante o caminho, explicou que secretamente ela era utilizada para servir como prisão para alguns prisioneiros importantes dos piratas, incluindo aí uma prisioneira sua, que ele entregaria a eles para que a trocassem por Dóris.

A torre era bem fortificada e Fórgus parecia ser bem conhecido pelos integrantes, já que foi levado rapidamente aos aposentos secretos, onde várias salas continham os tais prisioneiros. Numa das últimas estava uma mulher de roupas de guarda, com armadura e brasões, que o capitão revelou que era Rinalia, uma ex-capitã de guarda. A capitã já tinha sido salva por Fórgus e, teve a chance de também salvá-lo. Por fazê-lo, foi considerada desertora da guarda e conseqüentemente caçada para ser julgada. Fórgus ofereceu ajuda a ela e ela aceitou, aguardando ali até que ele pudesse levá-la para a cidade dos assassinos, livrando-a da guarda.

Deveriam então levá-la para o barco, mas Fórgus alertou que isso poderia não ser tão simples e era por isso que o grupo estava ali. O capitão comentou que alguns piratas não aceitavam que ela fosse levada por Fórgus, mesmo sendo sua prisioneira. Afinal, ela possuía um grande valor.

Ao saírem da torre, era claramente necessário um plano de fuga, já que um grande grupo de piratas os aguardavam. Dobaldor utilizou algumas magias para ajudar no transporte, enquanto Dart e Barbarius foram de encontro ao grupo em carga, iniciando então um grande combate em massa. Enquanto lutavam, Dobaldor utilizous suas magias para conduzir a prisioneira até o pequeno barco que os levaria de volta ao navio e então auxiliou os dois guerreiro na luta, juntamente com Lino.

Dart e Barbarius provocaram um massacre, matando mais de vinte dos piratas, o que fez com que os remanescentes fugissem para pedir ajuda. Nesse intervalo, o grupo foi rapidamente ao barco e fez o caminho de volta. Fórgus abriu novamente o portal e eles logo estavam novamente na cidade dos assassinos.

Sem muita demora libertaram Dóris, que revelou que Jaila vivia sob constante perigo. Enquanto decidiam o que fazer o grupo foi abordado por dois aventureiros que disseram terem sido enviados por Radaene: Eidoneous, o bardo e a maga Susannah. Se dizendo portadores de uma mensagem da Dragoa, eles disseram ao grupo que chegou a hora de pagarem o que devem a ela. Para isso, deveriam ir para uma cidade chamada Emessit´Zy e aguardar.

O grupo desconfiou um pouco, mas tudo parecia indicar que eles eram mesmo enviados por Radaene, já que sabiam de coisas que o grupo discutiu em sua torre. Ainda assim, Dobaldor não aceitou muito bem os dois. Acabaram por decidir ir para uma taverna próxima, para que se recuperassem e decidissem sobre o próximo passo. Dart foi primeiro, seguido pelo grupo.

Enquanto isso, Lino e o bardo Eidoneous saíram pela pequena cidade e, acabaram presenciando uma das damas de Trissis, que trazia alguém que foi petrificado. Ela utilizava longos mantos brancos e o rosto coberto por um capuz, além de carregar três espadas nas costas. Os dois acabaram se aproximando timidamente e questionaram sobre como falar com Trissis. Surpreendentemente, ela se mostrou prestativa, dizendo que precisavam ir até a torre e pedir uma audiência. Apesar de estarem sozinhos, os dois acabaram decidindo seguir até a torre e ver no que daria, o que revelaria algumas surpresas…

Durante o caminho para a torre, foram advertidos por um enigmático texto mágico que surgiu na frente deles e dizia: “se não souber a razão de estar seguindo em frente, volte agora mesmo”. Bateram na porta e foram saudados por uma mulher ilusória, que questionou o porque de sua visita. Quando Lino mencionou que estava ali para buscar Natana, parece que já estava sendo esperado, pois a porta se abriu e eles viram uma pequena sala, visivelmente menor do que a torre permitiria. Logo foram saudados por uma mulher de feições serenas, cabelos negros presos e vestindo roupas comuns, que se identificou como Trissis.

Trissis parecia surpreendentemente comum, o que deixou os dois extremamente surpresos. Ela mencionou que aguardava o grupo que estaria com Natana, já que ela lhe contou sua história e ela parecia conhecer os habitantes dos planos Carcerários. Foram levados por Trissis até uma sala confortável, onde Natana jazia numa boa cama. Trissis disse a eles que a deixaria partir, pois não seria louca o suficiente para prender alguém que tem uma dívida com eles, sendo de onde ela vem. Lino acabou conversando um pouco com a enigmática Trissis e ela pareceu ser evasiva e misteriosa quanto a forma que utilizava para reger uma cidade tão perigosa, deixando claro que era de uma forma cheia de questionamentos sem resposta, deixando claro que a extensão de seus poderes não tenha ficado tão clara quanto sua visível inteligência.

Sem muita demora, saíram da torre e Natana acordou após algum tempo, ainda que não estivesse com o mesmo comportamento, parecia bem. Foram então abordados pela criatura azul que parecia ter comprado Sedéria. A estranha criatura pediu para que eles reunissem o grupo, pois iria levá-los de encontro a menina.

Lino e Eidoneous voltaram e relataram brevemente sua empreitada, juntando então o grupo e indo de encontro à criatura azulada, que os levou por um portal até um lugar de frio extremo, que logo eles ficariam sabendo por ela própria que era o plano Paraelemental do gelo, uma terra tão fria que era capaz de congelar até mesmo o fogo… Dobaldor sentiu ali uma estranha afinidade, que lhe assustou um pouco.

Não demorou muito para que chegassem a uma enorme estrutura de cristal, que se abriu para eles. Para que suportassem o frio extremo, a criatura azul lançou a magia que estava permitindo que eles sobrevivessem sob uma estranha pedra, que propagou a magia por todo o interior do castelo, o que deixou a maga Susannah intrigada com tamanho poder. Logo encontraram a regente daquele local de grande beleza, a enigmática Issidia. Ela revelou que “comprou” Sedéria puramente por ser o destino dela, já que, de alguma forma, ela sabia que o destino do grupo era encontrá-la, embora não revelasse a eles o porquê. Intrigado com todo o conhecimento que ela parecia possuir sobre presente e futuro, decidiram não demorar muito. Ela entregou Sedéria sem muita demora, avisando que a menina fora violentada pelos seus captores antes que chegasse a ela.

De posse finalmente das três, o grupo se dirigiu para a saída da enorme estrutura para então decidirem qual seria seu próximo passo…

View
Décimo-quarto jogo, 05/07/2009
O mundo de Fórgus - Parte 1
Precisando esperar até o dia seguinte para partir, o grupo pediu ao guia Táris para indicar uma estalagem. Ele então explicou que os preços das várias estalagens eram bastante distintos, variando do mais barato ao exorbitante, o que reduzia bastante as opções do grupo, que continuava com pouco dinheiro. A solução foi ir para uma estalagem de um Anão que compartilhava os poucos quartos entre vários clientes, tipo de estadia famoso na cidade.



No quarto que alugaram acabaram encontrando pessoas de diferentes tipos. Dentre eles uma jovem e seu protetor, um Drow ferido e até uma simpática viajante de uma cultura distante, chamada Nedine. Com longos cabelos brancos e pele clara, ela dizia vir de um distante plano que ela traduziu para a língua comum como “Terra das esmeraldas”. Ela contou a eles que estava fazendo um estudo sobre portais que, quando concluído, seria parte do teste que era imposto por sua raça para ser aceita no mundo dos adultos. E durante a longa conversa, mencionou também algumas outras coisas curiosas sobre sua cultura, como a forma que tinham para se alimentar, – através de um acordo com plantas inteligentes que lhes forneciam nutrientes – as estranhas esferas inteligentes que circulavam a cabeça de todos jovens e adultos de seu povo e até sobre o único deus de sua religião, que não permitia qualquer tipo de oração ou imagem em sua homenagem. Enquanto isso, Barbárius comprou uma bebida de gosto duvidoso dentre os inúmeros vendedores de diversas coisas, espalhados por toda parte dos ladrões.


Depois de descansarem e se prepararem, foram então ao encontro do capitão, que já os esperava para prosseguir. Sem muita demora, logo estavam no Plano que ele havia mencionado, Krynn.


Após a chegada quase cômica, já que o portal se abria sobre a água, logo presenciaram a chegada do exótico barco do Capitão, que era feito de metais e correias interligados por estranhas engrenagens. O barco parecia se assemelhar a um Dragão Negro e era movido por uma estranha e barulhenta engrenagem, que gerava bastante fumaça. Após subirem à bordo, o capitão os apresentou aos poucos tripulantes que lá estavam: Dentre eles estavam os irmãos Navram, três irmãos Gnomos que pareciam ter transformado quase todo o barco num conjunto de engrenagens movidas a alavancas e botões de acesso de complexidade razoável. Além deles, estava também Vitélia, a esposa do capitão e sua filha Nashir, que acabou se revelando uma Elfa aquática, o que deixou o grupo um tanto curioso, já que ele e a esposa eram meio-elfos… O capitão então explicou que tinha adotado a pequena Elfa quando a encontrou abandonada em uma de suas viagens.


Vitélia ofereceu a eles quartos e comida, para que se preparassem enquanto o navio seguia. Fórgus disse a eles que estava indo para uma cidade portuária próxima, chamada de Porto das Estrelas (Starporth), mencionando também que, provavelmente logo seria encontrado por algum de seus muitos inimigos…


Enquanto viajavam, notaram que o barco era cheio de modificações feitas pelos irmãos Gnomos. Apesar de muitas delas parecerem ser complexas e desnecessárias, não havia dúvida de que eram um tanto quanto exóticas, muitas também pareciam ser bastante perigosas.
Após algumas horas de navegação, chegaram à cidade e logo já encontraram um grupo de guerreiros que cercaram o grupo e o capitão. Um homem de armadura parecia ser o mais experiente do grupo, mas logo ouviram uma voz feminina, que saudava Fórgus de forma sarcástica, perguntando a ele sobre alguma coisa que ele provavelmente teria (ou não?) encontrado. Mas não houve muita conversa, já que logo a mulher mandou que atacassem o grupo e uma batalha se iniciou…

Continua…

View
Décimo terceiro jogo, 07/06/2009
A estranha cidade dos assassinos.

Após alguma caminhada por cavernas o grupo chegou a uma parede, na qual Firneblin pediu para que aguardassem. Momentos depois, um portal se abriu e criatura disse que deveriam entrar ali para chegar à cidade, alertando-os também que aquele era um portal só de ida, fazendo com que eles tivessem que buscar uma forma de voltar.

Então entraram no portal e logo estavam num pequeno plano onde a grama se estendia até grandes paredes de pedra que circundavam a cidade. Além dela havia apenas poucos quilômetros de grama e uma espessa bruma que circundava todo o pequeno Plano.

Aproximando-se da entrada da cidade, descobriram que ela era vigiada por um grande leão de pedra que era capaz de falar. A criatura os saudou e os avisou das regras da cidade, que consistiam de não mexerem num pequeno jardim no meio da cidade e ficarem atentos as novas regras, que eram afixadas num muro próximo do tal jardim. A criatura também lhes contou que a cidade era dividida em duas facções, ladrões e assassinos e que era regida por Trissis, Além disso, pareceu tentar reconhecer cada um deles e, exceto por Dobaldor, ela revelou que nenhum deles nunca havia estado ali.

Entraram na cidade e viram que ela era dividida em duas partes, claramente delimitando ladrões e assassinos. Não demorou muito para que encontrassem o pequeno e bem cuidado jardim, assim como a parede com as regras da cidade, que consistiam de tabuletas, que diziam o seguinte:

“Ninguém está autorizado a tocar ou causar qualquer dano a árvore de flores vermelhas, que está ao norte da cidade. Aquele que o fizer está sentenciado à morte pelas Damas de Trissis.”

“Ninguém está autorizado a entrar na casa azul. Aquele que o fizer está sentenciado à morte pelas Damas de Trissis.”

“Todas as jóias azuis dentro da cidade devem ser entregues a uma das Damas de Trissis. Qualquer um que for pego com jóias azuis está sentenciado à morte pelas Damas de Trissis.”

“Todos os roubos dentro da cidade, de qualquer tipo, devem ser conhecidos previamente por Drevet, da Facção dos Ladrões. Caso contrário, o ofensor e todos relacionados com o ocorrido estão sentenciados à morte pelas Damas de Trissis.”

Sem saber por onde começar dirigiram-se para a parte dos ladrões, onde inúmeras pessoas de variadas raças pareciam divertir-se numa grande taverna. Além disso, barracas de venda e de estadia podiam ser vistas ao longo de uma praça principal que era bem movimentada. Próximo a esta praça, um leão semelhante ao que encontraram na entrada da cidade estava sobre uma grande coluna de pedra, bem mais alta do que a do leão anterior. Lino tentou falar com a criatura, mas ela não respondeu. Logo um homem vestido com roupas de aventureiro se apresentou a eles como Táris, dizendo que era um guia da cidade.

Táris explicou a eles um pouco sobre as peculiaridades daquela cidade e respondeu a algumas das perguntas do grupo. Ele falou que existe uma espécie de guerra silenciosa entre ladrões e assassinos, além de comentar sobre o peculiar modo de governo de Trissis e suas três Damas. Quando questionado sobre o valor de seus serviços, ele respondeu que aquele era seu trabalho, já que era pago para guiar os recém-chegados para evitar as confusões.

Decidiram então perguntar sobre escravos, já que este era o mais provável destino das três mulheres. Revelando que o comércio de escravos só era realizado na parte dos assassinos, ele os levou para lá e após falarem com um gordo mercador de escravos, este recomendou que falassem com o Capitão Fórgus, um pirata especializado em lidar com escravos com habilidades exóticas. Táris então os levou até a casa dele, curiosamente construída em uma versão miniaturizada de um grande barco. Logo anunciados pelo curioso papagaio de Fórgus, eles então conheceram o capitão, reparando que ele tinha trejeitos estranhos e um espalhafatoso chapéu, ainda que Lino sentisse que ele não era uma pessoa má. Questionado sobre escravas que fossem semelhantes a Dóris, Sedéria e Natana, ele revelou que Dóris tinha sido comprada por Jaila, a líder da Facção dos assassinos, enquanto Sedéria tinha sido comprada por uma estranha criatura de pele azulada e fria. Porém, ele não sabia nada sobre Natana.

Enquanto conversavam, Fórgus lembrou de um estranho fato. A criatura azulada que levou Sedéria deixou um pergaminho com um bilhete, pedindo para que ele o entregasse para um grupo de aventureiros com a descrição exata do grupo, inclusive prevendo o comportamento deles em relação ao capitão. O grupo recebeu o pergaminho e, abrindo-o, viram que ele continha apenas uma palavra estranha, que deveria ser lida em voz alta, embora nenhuma outra instrução fosse dada. Desconfiaram, mas logo Dobaldor leu a palavra, fazendo com que ela sumisse do pergaminho e nada mais acontecesse, o que serviu para os deixarem ainda mais curiosos…

Para conseguirem falar com Jaila era necessário que pagassem para ter uma audiência com ela, o que decidiram fazer para descobrir o paradeiro de Dóris. Enquanto aguardavam para que conseguissem falar com ela, foram abordados por um homem que ofereceu a Dart e Barbárius a oportunidade de servirem como mercenários para Onar, um mercador de escravos que iria fazer uma incursão a um outro Plano para pegar alguns escravos. Apesar de Barbáruis recusar, Dart aceitou a oferta, o que fez com que deixasse Lino preocupado, já que ele era o mais novo do grupo.

Dart seguiu com mais alguns mercenários e Onar, entrando com eles num portal próximo da cidade, o que os levou a um plano com uma selva onde enfrentaram nativos e uma grande criatura, antes de chegar até um grupo de amazonas que traziam alguns homens como escravos.

Enquanto isso, Lino, Barbárius, Dobaldor e os outros conseguiram falar com Jaila, que se revelou uma Elfa ardilosa. Surpreenderam-se também com o fato de Dóris estar protegendo-a, embora ela revelasse a Lino que suas protetoras de elite não costumavam ter vida longa. Através dela, também descobriram que Trissis parecia, de alguma forma, saber sobre as origens de Natana e que ela tinha sido levada pelas Damas, encontrando-se na torre da regente. Contando a ela a história de Dóris e a Elfa aceitou entregá-la de volta se eles trouxessem uma outra mulher com habilidades exóticas de combate, o que os levava de volta a Fórgus.

Voltando para falar novamente com o capitão, reencontraram Dart, que recebeu cinqüenta moedas de ouro pela breve empreitada no outro plano, além de um brinco representando a guilda de Onar, o que o colocava numa posição de prestígio com o mercador. Conversaram novamente com Fórgus e ele revelou que possuía duas escravas (na verdade, três…?) que poderiam atender ao gosto de Jaila.

No entanto, havia outro problema.

Escravas como essas eram caras e o grupo não possuía sequer a metade do valor para poder pagar. Ofereceram então seus serviços e o capitão disse que precisaria voltar ao seu plano em breve para rever sua mulher e filha, além de voltar a navegar. Ele iria em busca de uma outra escrava exótica de difícil acesso e poderia usar a ajuda deles O Capitão explicou que o tempo passaria de forma diferente em Krynn, seu Plano. Em comum acordo então, o grupo decidiu seguir com o capitão.

Estavam então localizadas as três prisioneiras… Mas conseguiria o grupo salvar todas elas?

View
Décimo-segundo jogo, 01/05/2009
Reflexões e decisões.

O grupo viu que os ogros decidiram voltar e não tiveram muito a fazer além de segui-los. Após a caminhada de volta, chegaram na cidade e decidiram falar novamente com Rishet e a encontraram na luxuosa estalagem que ela informou que estaria.

Rishet falou mais um pouco sobre os subterrâneos, já que fora questionada sobre os portais que eles encontraram no caminho. Não sabia muito, mas acabou comentando sobre um lugar conhecido como Cidade das sombras, onde pessoas procuradas tinham um lugar para descansar. Durante a conversa, ela também revelou que Drows vieram perguntar sobre Barbarius, dizendo a ele para que tomasse cuidado…

O grupo então decidiu falar novamente com Firneblin, na esperança que ele lhes desse mais possibilidades. A reservada criatura apenas explicou que a Cidade das sombras era diferente da perigosa cidade de criminosos e assassinos para onde poderiam ter sido levadas Natana, Sedéria e Dóris. Ainda sem saber o que fazer e temendo não conseguirem sobreviver na cidade dos assassinos, o grupo acabou decidindo voltar para a cidade na esperança de que o Drow que Rishet comentou fizesse contato com Barbarius.

Enquanto estavam na taverna, Barbarius foi contactado por um Drow que sabia de seu interesse por dinheiro. O Elfo negro então ofereceu a ele dinheiro em troca de alguns serviços e, ainda sem saber exatamente o que teria que fazer, ele aceitou a oferta. Logo o Drow o levou para um um portal que deu num longo corredor iluminado por tochas, onde após breve investigação, ele descobriu que três guardas vigiavam o local. As instruções do Bárbaro eram para resgatar uma Drow presa numa sala que seria identificada por um desenho de um sol com três círculos.

Ele logo descobriu que, para conseguir libertá-la ele precisaria passar pelos três guardas, ainda que não tenha questionada exatamente o porque de estarem ali ou que tipo de prisão era aquela. Sem muita dificuldade ele venceu os três e, quando os revistou, encontrou alguns items curiosos: Um cordão adornado com pequenos ossos, uma caixa com um anel e uma carta e uma calça velha com um estranho corte. Além das armas e armaduras leves que usavam, o que poderia valer algum dinheiro.

Barbarius encontrou a sala com o sol com três círculos e, dentro dela, encontrou a Drow. Ela estava presa numa grande parede de gelo e, através de um estranho mecanismo, ele a libertou, ainda que ela estivesse desacordada. Então a levou de volta e recebeu o pagamento, depois revelando ao grupo todo o ocorrido, o que despertou algumas suspeitas…

Dart leu a carta, que estava escrito em Élfico, revelando que era uma carta de amor de uma mulher para alguém, provavelmente o guarda que Barbarius matou. Também descobriram que as espadas que Barbarius trouxe eram de fabricação da superfície, o que tornou tudo um pouco mais estranho ainda. Teria ele ido na superfície e voltado, sem saber?

As suspeitas aumentaram e, logo Barbarius recebeu um novo convite,entregue por um escravo. Falou novamente com o Drow, mas o Bárbaro negou a nova oferta de trabalho, sem querer saber exatamente qual era. Em sua consciência, ele ainda refletia se seus atos tinham sido corretos, ainda que tivesse sempre a intenção de ajudar o grupo. Alugaram então um quarto para descansarem e o fizeram, embora Lino tenha tido um longo sonho no qual um unicórnio o observava de longe, enquanto ele via Sedéria. Ao acordar, Lino se sentiu incomodado por causa da promessa que fez à jovem.

O grupo então entrou mais uma vez em uma longa discussão sobre os rumos que deveriam tomar, ainda sem ter certeza sobre qual caminho deveriam seguir.

Enquanto isso, Dobaldor decidiu caminhar pela cidade Drow e acabou encontrando um estranho e egocêntrico Dragão negro, que esperava por alguém numa grande praça da cidade. A grande criatura, que surpreendentemente parecia ter algum senso de humor, acabou conversando com o Gnomo após ele fazer a ela o favor de atrair a atenção de um Drow, que o Dragão acabou devorando, revelando que não nutria grande apreço por Elfos negros. O Dragão parecia um tanto curioso e se interessou pela história de Natana, que Dobaldor acabou mencionando sem querer.

Enquanto isso, o grupo discutia e acabou chegando à conclusão de que deveriam procurar as mulheres na cidade dos assassinos. Dobaldor se despediu do estranho Dragão e, quando o mencionou para o grupo, eles não acreditaram muito, o que fez com que ele os levasse para ver a grande criatura, gerando espanto em todos.

Mas logo eles seguiram para fora da cidade e, fazendo uma oferenda a Firneblin, este logo apareceu e eles manifestaram sem desejo de ir para a cidade dos assassinos. Firneblin desencorajava que fossem, mas mediante a decisão firme do grupo, ele então concordou em levá-los, embora dissesse que não conhecia claramente quando e como haveriam portais para se voltar de lá.

Estariam mesmo Dóris, Natana e Sedéria na cidade? Conseguiriam salvá-las? Ou seria a última cidade que veriam de fato? Só o tempo diria…

View
Décimo-primeiro jogo, 26/04/2009
Um pequeno raio de esperança na escuridão.

Recuperando-se como podiam, logo perceberam que estavam sendo observados. Não demorou muito para que descobrissem que o observador era uma estranha criatura com olhos grandes e asas de mariposa mas, apesar de sua estranha aparência, suas intenções eram boas. A criatura tinha movimentos graciosos e, com sua voz baixa e suave, disse na língua comum que seu nome era Firneblin.

O grupo notou que ele tinha uma companhia curiosa: Uma Drow que parecia não ter mais do que quatro ou cinco anos, que espiava curiosa, abraçada a ele. Ele contou que ela fora encontrada abandonada numa caverna há alguns anos, e se sentiu na obrigação de cuidar de uma criatura tão indefesa, ainda que fosse de uma raça tão odiada.

Firneblin contou que aquela casa onde estavam era conhecida por muitos grupos de mercenários do Subterrâneo, como um local perigoso por atrair poderosos mortos-vivos. Com isso, através de magias de ilusão, conseguiu fazer com que os Elfos Negros deixassem aquele local de terrível fama, ainda que eles tenham levado Dóris, Sedéria e Natana. Firneblin disse que seus poderes não permitiam que lutasse contra um grupo de sete Drows mercenários, mas era capaz de curar parte dos ferimentos do grupo.

O grupo agradeceu, pois sabia que se não fosse pela bondosa criatura eles teriam certamente morrido. Mas o caminho adiante era perigoso e Firneblin ofereceu acompanhá-los a uma cidade próxima, onde pessoas de diferentes raças podiam andar em relativa segurança, considerando que fossem aventureiros de algum poder.

Ele contou que os Drows que os roubaram talvez tivessem ido para uma cidade próxima, acessível apenas por um Portal. Mas também falou que não deveriam ir a essa cidade se não estivessem bem preparados, pois era extremamente perigosa, já que era o lar de inúmeros mercenários, ladrões e assassinos.

Lino questionou sobre o estranho cavalo de pedra e Firneblin disse que ele fora colocado ali por Bania, filha da fantasma Eden, para protegê-la. Ele revelou que o que mantinha Eden como fantasma não era não ter encontrado a filha, mas alguma outra coisa, já que Bania já falara com ela e nada aconteceu. No entanto, ele mencionou que Eden não reconheceu a filha, o que dificultava tudo. Lino se interessou em saber mais sobre Bania e Firneblin disse que podia levá-los até onde ela estava, embora deixasse claro que era um local distante dali.

Ele então os guiou pelas cavernas e, atravessando um portal misterioso, a criatura os deixou próximos da cidade em que estavam, que era onde viram Thurit´zin pela última vez. Firneblin então se despediu, dizendo que não entrava em cidades e que se precisassem dele para guiá-los, bastaria que deixassem alguma oferenda ali onde estavam. Lino e Dobaldor entraram na cidade, deixando os Elfos do lado de fora para não levantarem suspeitas, já que nem mesmo tinham mantos para se cobrir.

Os dois pequenos então começaram a procurar por Thurit´zin mas, apesar de não encontrá-lo, toparam com os dois Ogros que faziam parte da caravana em que estavam. As criaturas, que claramente tinham origens Bárbaras e pouca inteligência, nutriam grande admiração por eles. Dobaldor e Lino não conseguiam entender a língua das criaturas, mas os Ogros deram a eles um grande pedaço de carne que carregavam em suas bolsas. Não entenderam o porquê, mas logo descobriram que ali nos subterrâneos a carne tinha valor maior do que na superfície, o que fez com que a vendessem e conseguisse algum dinheiro. Descobriram também os estranhos nomes dos dois, que na língua comum traduzia-se como “Porrada” e “Porrete”.

Acabaram encontrando também a maga do fogo que fazia parte da caravana, e que só agora lhes revelou seu nome: Rishet. A maga falava a língua dos Ogros e, se comunicando com eles, ajudou também os pequenos a conseguirem comprar equipamentos, emprestando-lhes algum dinheiro no processo.

Após algumas negociações, e as magias de cura de Lino e Eru, estavam agora com roupas e algum equipamento, embora ainda não fosse nem metade do que tinham antes de serem roubados pelos Drows. Com a ajuda de Rishet, descobriram que os Ogros pretendiam procurar mais carne e decidiram seguir com eles.

Porém, acabaram vendo que a decisão não foi das melhores.

Os Ogros eram capazes de enxergar no escuro e não aceitavam que o grupo andasse com qualquer fonte de luz, o que tornava os caminhos ainda mais perigosos. Além disso, as criaturas andavam unicamente em busca de combate, ignorando alguns portais e coisas estranhas que encontraram pelo caminho. O grupo, no entanto, não conseguia encontrar seu caminho de volta sem eles, já que estavam sem Natana, fazendo com que tivessem que seguir as criaturas e ignorar as outras coisas pelo caminho.

Não demorou muito para que os dois Ogros rastreassem alguma coisa grande e, quando o grupo foi perceber, os dois estavam lutando contra um grande Dragão negro. Sem muita escolha, foram ajudá-los e, apesar da batalha ter sido dura, a criatura acabou decidindo fugir, mas não sem antes deixar o grupo bem machucado.

Os Ogros ficaram bem feridos, mas ainda vivos. O grupo então se juntou e analisou que passos deveriam seguir. Estava claro que ainda estavam abalados com os últimos acontecimentos, fazendo com que ficassem sem saber exatamente o que fazer.

E diminuindo a esperança…

View
Décimo jogo, 23/04/2009
O fim... E um novo começo.

O grupo iniciou a viagem de volta à cidade, guiados por Natana.
Logo no início do caminho de volta, encontraram novamente com o estranho cavalo feito de pedra, que era iluminado por um facho de luz que parecia vir do teto. Agora analisando melhor a criatura, eles avistaram nela um estranho medalhão em seu peito, ainda que este estivesse preso em seu corpo.

Ao tocarem o medalhão, a criatura ganhou vida e começou a observá-los. Após algum tempo, ela disse que nenhum deles era seu mestre e que ela era guardiã de um poderoso amuleto que estava dentro de seu corpo de pedra, complementando com o fato de que a única pessoa capaz de lhe dar ordens era sua mestra, Bania.

Não demorou muito para que Lino entendesse que o facho de luz que vinha do teto era o alimento da poderosa jóia dentro da criatura. Ela então revelou que a jóia dentro dela mantinha afastadas as criaturas de energia negativa, consequentemente fazendo com que o grupo descobrisse porque Eden, Tamyres e a Banshee não conseguiam chegar a pouco mais do que o início do corredor.

Com o novo conhecimento, uma nova discussão sobre os caminhos a serem tomados se iniciou e não demorou muito para que Barbárius e Dart se desentendessem, o que já tinha acontecido algumas vezes.

No entanto, desta vez o desentendimento foi além da discussão e ambos sacaram suas armas, iniciando um combate. Houve muita confusão e foi necessário muito tempo para que Lino conseguisse que ambos se acalmassem. Mas ainda assim, o barulho ecoou pelas cavernas e não demorou para que Dart avistasse vultos se agrupando no corredor a frente…

O ruído da discussão e a gritaria atraíram um grupo de Drows batedores que, enquanto eles discutiam, colocaram algumas armadilhas no corredor e esperaram pelo grupo, criando uma emboscada. Em clara desvantagem, o grupo não conseguiu vencer as criaturas e todos foram derrotados ou ficaram inconscientes.

A esperança parecia perdida. Teriam sido todos mortos?

Após algum tempo, Lino acordou e notou que todos ainda estavam na caverna próxima à estátua do cavalo. Mas agora estavam completamente desarmados e os Drows tinham desaparecido, assim como Natana, Dóris e Sedéria.

A única coisa que ele conseguiu foi curar o suficiente do grupo para que levantassem e analisassem a situação em que se encontravam. Enquanto o grupo se reerguia, vendo que tinham perdido tudo que não fosse roupas não-mágicas, o Paladino colocou-se a orar, pedindo para que Yondala lhe desse a sabedoria e a força para reerguerem-se e seguirem em frente.

Mas por que os Drows não os mataram quando tiveram chance?

E qual terá sido o destino de Sedéria, Natana e Dóris?

A única coisa que sabiam agora é que isso ainda estava sem resposta e estavam numa perigosa situação.

Embora eles não percebessem, uma misteriosa figura estava ali, aguardando que levantassem. Quem seria ela?

Descobririam em breve…

View
Nono jogo, 21/04/2009
A casa dos mortos-vivos.

O estranho guia os levou por entre as escuras cavernas e, pouco antes de chegarem a seu destino, avistaram uma curiosa cena: Uma estátua de um cavalo era iluminada por um raio de luz que vinha de uma fenda no teto. Ficaram curiosos, mas o guia ignorou por completo a estátua, passando por ela e seguindo o caminho. Dorbaldor apenas teve tempo de subir na estátua, mas acabou não achando nada de estranho, embora isso não fosse suficiente para satisfazer sua curiosidade.

O guia os levou até uma ampla caverna, onde, na parede oposta a entrada, uma grande casa tinha sido feita em meio à rocha, numa provável engenharia Drow. Lino acabou pressentindo uma estranha presença no local.

Entraram na casa após Darth derrubar a porta com algum alarde, o que provocou uma discussão entre o grupo sobre seus métodos impulsivos. Um rugido alto foi ouvido ao longe também, denotando claramente que alguma criatura ouviu o barulho, que ecoava facilmente nas longas e silenciosas cavernas.

A construção certamente já tinha visto dias melhores, já que tudo estava sujo e empoeirado, denotando que tinha sido abandonada há muito tempo. O que restou dos móveis e tapeçarias, no entanto, revelava claramente que ela pertenceu a alguma família Nobre.

Não demorou muito para que ouvissem uma voz feminina que os convidou a entrarem mais no aposento acima da grande escada que estava numa das salas principais. Logo eles encontraram a dona da voz, uma jovem Drow fantasma que vagava pela casa. Ainda que morta-viva, a outrora Drow demonstrava educação e bondade. Lino e Barbárius conversaram com ela, que disse não lembrar seu verdadeiro nome, mas revelou que o último nome que a chamavam era Eden.

Eden revelou a Lino o que conhecia de sua história. Disse que outrora não se encaixava na sociedade Drow por ser bondosa em demasia. Apesar disso, casou-se e teve uma filha. No entanto, foi morta por seu marido e sua filha lhe foi tirada. O destino da filha era desconhecido, mas ela desconfiava que fosse o elo que a mantinha como morta-viva. Eden também revelou que havia outros ocupantes na casa.

Enquanto conversavam, Darth decidiu explorar o resto da casa e acabou vítima de um veneno emanado por uma armadilha em um dos baús que estavam num dos quartos.
Logo o grupo conheceu as outras ocupantes da casa. Uma Banshee que Eden dizia ser sua prima, embora a criatura não emitisse qualquer som e a bela Tamyres, uma vampira que possuía traços de maldade, como Lino conseguiu sentir.

Foi só então que descobriram também que alguma força misteriosa impedia que as três mortas-vivas pudessem sair dos arredores da casa, por mais que tentassem. A razão disso era desconhecida pelas três, embora desconfiassem que talvez houvesse alguma relação com a criatura que mandou o grupo até ali. Eden desconfiava que a criatura era um Dragão das Sombras.

O destino a seguir então se tornou incerto e confuso para eles.

Dorbaldor achava que eles deveriam deixar as criaturas, já que não podiam fazer nada por elas, enquanto Lino estava dividido entre ajudar Eden a rever sua filha e destruir Tamyres, embora isso se confundisse entre a promessa feita a criatura que os mandou ali e seu dever como Paladino. Darth queria matar a Banshee e Tamyres, deixando Eden viva, enquanto os outros ainda estavam confusos sobre o que acreditar. Natana, Sedéria e Dóris apenas observavam, sem dar qualquer opinião.

Muita discussão se formou entre eles, de forma que fosse difícil definir claramente o que fazer, ainda que as três mortas-vivas quisessem ser soltas. Elas não podiam fazer muito, no entanto. O grupo então discutiu por vários minutos, sem definir um caminho claro a se seguir, além de claramente demonstrar que Dorbaldor e Oskar não gostavam muito da presença de Darth.

Uma das possibilidades levantadas por eles era procurarem por alguma pista sobre o paradeiro da família de Eden, embora ela dissesse que já tinha olhado por toda a casa e não tivesse descoberto nada. Decidiram tentar, já que as decisões ainda eram nebulosas. Após começarem a procura e toparem com uma armadilha que libertou um Elemental do fogo, acabaram por se desmotivar e decidiram sair da casa, ainda que o destino a seguir ainda fosse incerto. Lino perguntou à Natana se ela poderia os levar de volta e talvez procurar por outro caminho, o que ela disse ser possível.

Então saíram da casa, deixando para trás Eden e as outras, sem saber por que estavam presas à aquele local. Teria isso a ver com o Dragão? Magia? Ou…?

Os caminhos a seguir e até mesmo a forma de se decidir o que o grupo deveria fazer foram questionados e tudo ficou mais complexo.

Teria a criatura que os mandou matar os mortos-vivos apenas feito um mero pedido ou aquilo era parte de algo maior? Teria ela algo relacionado com Eden e as mortas-vivas?

Uma grande nuvem de mistério parecia encobrir a tudo…

View
Oitavo jogo, 19/04/2009
O adeus de Esmaim e o surgimento de novos membros.

Ao saírem do Cárcere 6384 com Natana, eles seguiram viagem de volta a cidade, mas coisas ainda estavam muito estranhas, o que já não era mais novidade desde que entraram nos Subterrâneos…

Natana se revelou uma boa guia, embora demorasse um pouco para reconhecer os infindáveis caminhos dos Subterrâneos inferiores. De volta à cidade, decidiram que o melhor a fazer era procurar os ingredientes que ainda faltavam. Natana disse que talvez pudesse guiá-los até o algum Devorador de aranhas, a criatura que possuía um dos componentes que ainda faltavam. Sem muitas opções, decidiram seguir com ela para procurar o raro monstro. Mas a companhia de Esmaim era um pouco desconfortável para aquilo, como a própria Natana avisou a eles. Afinal, Esmaim era apenas uma garota, sem qualquer treinamento em combate. Ainda assim, decidiram seguir adiante, levando-a.

Natana os guiou através das cavernas escuras por vários minutos. Ao longo do caminho, Dorbaldor acabou sentindo três portais, embora decidisse não investigar nenhum deles. Passando por obstáculos naturais aqui e ali, logo encontraram um rústico acampamento em meio a uma clareira, onde três grandes Orcs pareciam discutir. Uma grande barraca estava armada e era possível ver algumas pessoas lá dentro, o que incomodou a todos, principalmente Lino.

Enquanto decidiam como prosseguir, um Drow se aproximou do acampamento e começou a discutir com as criaturas, parecendo estar relacionado a elas de alguma forma. Decidindo atravessarem, Barbárius comunicou-se com as criaturas dizendo que não ofereciam perigo. Elas, ainda que desconfiadas, acabaram deixando que passassem por eles, já que não havia outro caminho a seguir. Mas o tratamento dado pelos Orcs às pessoas dentro das barracas, visivelmente sendo levadas para se tornarem escravos, acabou por incomodar demais Lino e ele decidiu libertá-las.

Sem escolha, um combate se iniciou entre eles. O Drow se revelou um Mago com algum poder, mas, embora difícil, venceram as criaturas com uma única baixa, que era o temor de Lino: Esmaim foi mortalmente ferida por uma Bola de fogo lançada pelo Mago, matando-a instantaneamente.

Enquanto Lino lamentava suas escolhas, o grupo soltou os prisioneiros, que eram compostos pelo guerreiro Darth, a mercenária Dóris e a jovem Sedéria, que estavam sendo levados para serem vendidos como escravos.

Ressentido com a perda de Esmaim, Lino acabou adotando a jovem Sedéria como sua protegida, jurando evitar acontecer com ela o que aconteceu com Esmaim.
Seguiram viagem e, após vários minutos de caminhada, acabaram encontrando uma ampla clareira, onde uma misteriosa criatura invisível os questionou sobre seus objetivos. Aparentando ser um Dragão, a criatura, ainda que orgulhosa, revelou-se tolerante a eles que decidiram até mesmo pedir sua ajuda.

A criatura ouviu um resumo da história da busca dos ingredientes e, com alguma desconfiança, disse que se eles matassem os mortos-vivos que estavam numa caverna próxima, ela os ajudaria. Ainda que desconfiados, decidiram seguir o estranho guia de ossos que ela criou e partiram em busca da caverna, sem saber o destino que os aguardava…

View
Sétimo jogo, 30/11/2008
A fantástica história de Natana.

Após alguns minutos, Oroídh surgiu novamente de dentro da Torre, e então, abrindo uma passagem secreta próxima a parte de trás da torre, eles iniciaram a jornada de volta para a cidade onde estavam.

No caminho, perigos aguardavam os aventureiros. Uma enorme e estranha aranha com sangue ácido bloqueou o caminho e o combate foi necessário. Sem muitos danos, prosseguiram e lidaram ainda com uma tribo de Trogloditas e uma enorme centopéia gigante, que graças ao machado de Barbarius, preferiu fugir do que se alimentar deles.

No entanto, atrás da centopéia, um grupo de bandidos Drow aguardava e cobraram dinheiro deles para que passassem. Barbárius avançou com fúria contra eles mas recebeu uma flechada com um potente veneno e caiu desacordado. Sem pensar muito, Eru ofereceu aos bandidos algumas jóias que possuía, e eles se foram, deixando o grupo sem maiores danos.

Barbárius acordaria poucos minutos depois, sem saber direito o que aconteceu, já que entrou numa fúria cega para matar a enorme centopéia. Enquanto isso, Dorbaldor avistou uma enorme criatura se aproximando ao longe, e o grupo decidiu seguir em frente sem esperar muito para ver o que era.

Mais algumas horas de caminhada ainda seriam necessárias para voltar até a cidade, passando por cavernas estreitas, fungos perigosos e criaturas desconhecidas que se refugiavam nas sombras. Porém, com o uso do poderoso anel que recebera, Dorbaldor logo notou que existiam mais portais ali embaixo do que Oroídh imaginava. Dois deles chamaram a atenção do grupo.

O primeiro portal mostrava um plano em que, ao longe, uma grande cidade se erguia. Iluminada por uma enorme lua, a cidade era, de alguma forma, convidativa. Cogitaram entrar no portal, mas Oroídh os alertou quanto a alguns portais do subterrâneo, que eram apenas de ida. Aliados ao fato de que não faziam idéia de que cidade era aquela, embora Lino reconhecesse que aquela lua definitivamente não era Selune, a possibilidade era literalmente um salto no escuro. Decidiram seguir seu caminho, deixando o portal para trás, embora com alguma curiosidade…

Um outro portal ainda se mostraria para Dorbaldor, mas este mostrava do outro lado um grupo de montanhas num belo dia de verão, com algumas criaturas voando ao longe. Novamente, Oroídh não tinha qualquer conhecimento sobre que lugar poderia ser aquele, e nenhum deles conseguiu ligar a paisagem a qualquer lugar conhecido, então decidiram mais uma vez deixarem a bela vista para trás.

Com mais algumas horas de caminhada e a escalada de uma parede de pedra, chegaram na cidade e encontraram-se novamente com Thurit’zin, que iria partir em algumas horas. Então deram algum dinheiro a Oroídh pelos seus serviços e esperaram pela partida, mas não sem antes Lino comprar uma escrava de um estranho Drow que tinha três meninas como escravas. Com a ajuda de Eru, Lino “comprou” a liberdade da escrava, que apesar de ser incapaz de falar por ter tido sua língua cortada, escreveu a eles seu nome: Esmaim.

Ao longo da viagem, questionaram Thurit’zin sobre os estranhos portais que encontraram. O Drow disse que a cidade poderia ser de um Plano conhecido como Noturnia, onde criminosos de todos os tipos forjaram três cidades que serviam de porto seguro para eles, inclusive criando regras para que convivessem de forma mútua. Thurit’zin não sabia sobre o outro portal, mas disse que ali embaixo realmente havia portais para inúmeros lugares.

Com cerca de um dia de viagem entre cavernas e portais, a caravana chegou a uma outra cidade, maior do que a que estavam. Thurit’zin liberou os mercenários de sua caravana, pagando-lhes e combinando para que se encontrassem novamente em uma semana, caso quisessem continuar trabalhando para ele, o que incluía também o grupo.

Decidiram então continuar a procura pelos componentes mágicos que Nadamir pediu, mas acabaram descobrindo que neste cidade eles também eram caros. Após quase arrumarem confusão com Drows de uma Taverna, se dirigiram a uma outra e foram atendidos por um Tiefling estranho e um Orc atrapalhado. Lino perguntou ao Tiefling sobre guias para os subterrâneos, e a criatura prometeu trazer um.

Enquanto esperavam, pediram comida e bebida e discutiram sobre o que deveriam fazer. Pelo que sabiam até agora, se conseguissem chegar à cidade de Menzoberranzam, estariam muito próximos da superfície, e haveria pouca dificuldade em sair dos subterrâneos. No entanto, Radaene ainda não tinha se manifestado e não possuíam todos os componentes mágicos que Nadamir pediu a eles. De fato, tinham poucas pistas sobre como sequer voltar até a torre de Nadamir, o que dificultava ainda mais. Havia também pouca informação sobre a ligação entre o misterioso Sanar e o Gnomo Dorbaldor, embora ainda restasse dúvidas se eles realmente queriam descobrir mais sobre o mago do gelo.

Enquanto discutiam seus rumos, um homem de mantos se aproximou, oferecendo os serviços de um guia. Lino sentiu alguma maldade nele, mas desconfiava que, considerando tudo o que já tinha visto nos subterrâneos, era pouco provável encontrar uma pessoa boa para os guiarem.

Surpreendendo-os porém, o homem não se ofereceu como guia, mas sim os levou até um estranho portal fora da cidade, que dava numa caverna estreita onde, através de um portal com uma ativação misteriosa, eles entraram numa fortificada prisão que parecia estar numa área de magia morta.

O homem levou-os até dois enormes Golens para que se “identificassem”, embora eles não entendessem exatamente o que ocorreu. Depois, os levou até uma das celas, onde uma mulher de cabelos castanhos estava sentada, numa sala selada com barras de energia mágica.

A mulher então se apresentou como Natana, e, mediante a suspeita deles, contou sua história. Ela e outras pessoas estavam presas num pequeno Plano conhecido como Cárcere 6384, mas não tinham cometido crimes. De acordo com Natana, inúmeras pessoas com determinadas habilidades ficavam presas ali até que alguém precisasse delas e desse uma quantia não especificada de dinheiro para os Golens, que então libertavam a pessoa. Essa pessoa então ficava com quem a libertou até que não fosse mais necessária, o que faria com que ela voltasse para a prisão novamente. Recomeçando então o mesmo ciclo.

Natana dizia não fazer idéia de porque aquilo ocorria, mas dizia que era uma “piada dos Deuses”, já que tinha estado ali durante muitos anos sem saber exatamente porquê. De acordo com ela, o segredo estava numa porta atrás dos Golens, mas ninguém nunca conseguiu abrir a tal porta. Ela cobrou a “módica” quantia de oito mil moedas para que guiasse o grupo até a cidade de Menzoberranzam.

O grupo estava dividido quanto a veracidade da história, mas todos ficaram impressionados com ela. Além do fato de que aquela prisão realmente era muito bem construída, de forma que somente poderes arcanos e/ou divinos do mais alto escalão poderiam ter concebido, ou até mesmo os próprios Deuses. Enquanto discutiam, Barbárius foi até os Golens e pagou para que soltassem ela. As barras de energia que a prendiam se abriram e ela, pegando suas coisas, disse para eles: “Vamos?”

Lino e os outros acharam a história fantástica. Mas… Aquilo tudo era realmente verdade?

Logo eles saberiam…

View
Sexto jogo, 23/11/2008
Thurit´zin, unicórnios e a proposta de Radaene.

Após lamentarem a perda de Edrikiel e Ilure, pouco havia para se fazer a não ser continuar o caminho. Ainda mais com o fato de mais Kuo-toas surgirem por uma passagem secreta próxima e espreitarem nas águas.

O grupo seguiu adiante e não demorou muito para chegarem na abertura marcada com um X
em seu mapa. Procuraram em volta e logo uma voz se comunicou mentalmente com Lino, perguntando porque eles estavam ali.

Lino anunciou suas intenções e logo um homem de aparência Élfica surgiu. Com belos cabelos azulados e modos nobres, ele se dirigiu a eles, questionando sua presença. Lino mencionou a carta que viera entregar, mas o homem estranhou muito receber uma carta. Quando o Halfling mencionou que a carta viera de Drows da casa Mezereck, o homem se assustou.

Mas era tarde demais.

Alvejado por várias flechas envenenadas, atiradas por arqueiros Drows que vieram por um portal próximo, a criatura rapidamente caiu ao chão sem vida, revelando então sua verdadeira forma: um Unicórnio.

O grupo se assustou com a velocidade que os Drows surgiram pelo portal, mas Lino foi o mais afetado, pois uma criatura conhecida por sua bondade excessiva foi morta em sua frente, por um plano no qual ele fez parte, ainda que indiretamente.

A Drow responsável pelo ataque explicou friamente a eles que o unicórnio ficara preso nos subterrâneos devido ao poder do faerzress. No entanto, os Drows não conseguiam se aproximar da criatura, que conseguia sentir a maldade pertinente as pessoas que dele se aproximavam. Lino, como um Paladino, fez com que a criatura não temesse a eles, e agora ela estava ali no chão, morta. A Drow responsável ainda mencionou que tirariam o chifre e parte da cabeça da criatura para ser usado em experiências, aumentando ainda mais o tormento de Lino, que não sabia o que fazer. Ela lhes pagou como prometido, além de deixar aberto um portal para voltarem para a cidade.

Mediante o ocorrido, não havia mais nada a se fazer, já que haviam muitos Drows. Voltaram para a cidade, decididos a não fazerem mais acordo com as Casas.

Estavam em frente a taverna, ainda confusos, quando Lino conheceu o minotauro Barlon, que trabalhava para um Drow, que ele dizia ser um dos poucos com honra. Barlon fora salvo da escravidão forçada por este Drow e, desde então, trabalhava para o Elfo Negro. Decidiram conhecer o Drow, mas não antes de Lino ser abordado de forma estranha por uma criatura com aparência demoníaca, que procurava por um Paladino para ajudar um outro Paladino, preso em algum lugar. Apesar de desconfiado, Lino decidiu dar uma chance a criatura e acabou conhecendo o Paladino Lura, Elfo servo da Deusa Drow Elistraee, que decidiu seguir viagem com eles. A criatura acabou se revelando como uma imagem de Chauntea, que desapareceu sem deixar vestígios.

Conheceram então o empregador de Barlon, Thurit’zin, o mercador de itens mágicos, que lhes ofereceu passagem em sua caravana em troca de ajudarem a combater as criaturas que lhes atacassem. Lino confiou no Drow e aceitaram sua oferta. Thurit’zin estava libertando um de seus mercenários, Barbáris, que decidiu seguir com o grupo. Seguiram viagem.

Em sua caravana, o Drow levava variados mercenários que trabalhavam para ele há algum tempo: Alguns Ogros, um estranho e silencioso anão careca, um homem coberto por mantos e uma Maga que utilizava magias de fogo.

Seguiram com a caravana até uma outra cidade Drow não muito distante, passando por um ou outro empecilho no caminho. Numa das vezes, o mercador negociou tranquilamente com um enorme Dragão, para poder passar por suas terras, o que rendeu a Dorbaldor mais um mistério, já que a criatura parecia conhecer Sanar, embora não parecesse tê-lo em boa conta…

Quando chegaram na cidade, acabaram por encontrar por lá uma cena diferente: Sitiada, a pequena cidade estava cercada por inúmeros mercenários comandados por alguma pessoa numa carruagem próxima, mas que não podia ser vista. Alguns destes mercenários vieram conversar com o mercador, incluindo os irmãos Emarak e Thanarak, que procuravam cura mágica e acabaram sendo curados por Lura. Ofereceram ao Paladino sua gratidão, e contaram ao grupo que vinham de um estranho lugar chamado de Cidade das Sombras.

As negociações do contratador misterioso e os Drows da cidade acabaram não senso muito boas e uma grande batalha começou, envolvendo Magos, mercenários, Golens, Elementais conjurados e até mesmo Dragões. Com tamanho poder, não demorou muito para que a cidade Drow fosse vencida e subjugada pelo misterioso contratador. Não havia muito para se fazer numa cidade destroçada pela batalha de grandes proporções, por isso Thurit’zin decidiu seguir para outra cidade. Antes, no entanto, um de seus mercenários capturou uma Drow que tentava fugir do cerco feito a cidade se escondendo em sua caravana. A jovem e furtiva Drow se apresentou como Sadelha, e cativou o Paladino Lura, embora, mesmo fugitiva, ela não fosse devota de Elistraee, algo que ele pretendia mudar…

A caravana seguiu por mais alguns dias, até chegar a uma outra cidade que, de acordo com Thurit’zin, era muito mais tolerante a aventureiros do que as outras que tinham passado, o que de certa forma aliviou um pouco a todos.

Entraram na cidade sem muita dificuldade, mas as carruagens precisavam ser deixadas próximas a entrada. Seguiram a pé até a taverna, enquanto o mercador iria encontrar algumas pessoas em específico. Nas andanças da caravana, o mercador também disse que tentaria encontrar um Rastreador Subterrâneo, um especialista que conhecia muitos fungos e talvez fosse capaz de dar a eles um dos ingredientes da lista de componentes mágicos que traziam de Nadamir.

Foi só então que puderam saber as horas, já que a cidade possuía um método estranho de marcar o tempo, utilizando meios mágicos. Puderam também descansar numa boa cama sem assombros, o que melhorou ainda mais o ânimo do grupo. Foram avisados pela Maga do fogo que Thurit’zin tinha conseguido bons negócios e que iria permanecer por pelo menos mais um dia na cidade. Para auxiliá-los, ele tinha conseguido também encontrar um Rastreador Subterrâneo, como mencionara, e o grupo decidiu então contactá-lo para conseguirem mais informações sobre onde estavam.

O rastreador era o Meio-elfo Oroídh, que estava bajulando uma Tiefling numa outra Taverna. Descontraído e simpático, Oroídh contou a eles um pouco dos subterrâneos, mencionando que, se queriam sair dali, uma boa idéia seria chegar à grande cidade de Menzoberranzan, embora ela estivesse ainda bem longe de onde estavam. Apesar disso, ele não conhecia o caminho até lá, pelo menos não completamente.

Oroídh mencionou a possibilidade de encontrar o fungo mencionado na lista de Nadamir, mas confessou que uma “amiga”, que era uma grande Maga, poderia lhes falar melhor sobre estes componentes, embora sua casa fosse um pouco distante dali. Poderia levá-los até ela, se quisessem, o que aceitaram.

Passaram por alguns perigos para chegar até a escondida torre da Maga, que os convidou a entrar. A torre era um lugar aconchegante, com tapeçarias, um leve perfume e sofás, além de uma gostosa música que vinha de algum lugar. Pouco tempo depois, a maga se apresentou.

Vestida com trajes sumários de ricos detalhes que delineavam um belo corpo, a mulher se apresentou como Radaene. Com longos cabelos prateados e pele morena, Radaene pareceu um pouco incomodada com a presença deles, mas logo se acostumou, embora parecesse nutrir certo desentendimento com Oroídh. Pouco tempo antes de entrarem, ele confessou a eles que ela na verdade é uma Dragoa, o que deixou o grupo com algum receio. Mas era tarde demais para voltar atrás.

Apesar de um pouco orgulhosa de sua herança e poderes, Radaene no entanto se revelou prestativa. Explicou um pouco mais sobre os subterrâneos, sobre a volta para a superfície e os componentes mágicos que procuravam. Não conhecia o Mago Sanar, mas já tinha ouvido falar nele antes, embora não pudesse oferecer muito conhecimento sobre o assunto. Até mesmo deu um machado mágico para Barbáris, mediante alguns favores que ainda iria pedir.

Radaene também ofereceu um dos ingredientes a eles, caso aceitassem fazer alguns trabalhos para ela. Lino não sentiu maldade na orgulhosa Dragoa, e decidiram então oferecer ajuda, embora ela não dissesse exatamente o que queria que fizessem. Prometeu, no entanto, contactá-los em breve com mais detalhes, dando a eles um anel que permitia que ela soubesse onde estavam.

Apesar de não conhecer Sanar, a Dragoa tinha um bom conhecimento das artes mágicas, oferecendo a Dorbaldor a possibilidade de treiná-lo para que usasse magias de gelo. O Gnomo ficou em dúvida, já que isso poderia trazer de volta as supostas lembranças de Sanar, o que lhe trazia certo desconforto, já que a história de Sanar ainda tinha muitas partes desconhecidas. Considerando que a Dragoa iria contactá-los mais tarde, deixou para decidir depois, já que ela lhe avisou que seria um longo treinamento, e que seus amigos não poderiam tomar parte dele.

A Dragoa então pediu para que lhe desse licença, para que ela resolvesse “negócios pendentes” com Oroídh. O grupo então saiu da torre e ficou aguardando o retorno do guia.

Com a volta de Oroídh, novas decisões teriam que ser tomadas. Poderiam continuar na caravana com Thurit’zin ou aguardarem notícias de Radaene. Ambos talvez? Novas esperanças surgiam, e quem sabe, uma chance de saírem do subterrâneo também. Mas alguma coisa começava a mudar…

Era estranho, mas de alguma forma o subterrâneo já não parecia tão assustador quanto antes…

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.